Cálculo de Folha de Pagamento – Como Fazer

O cálculo da folha de pagamento pode ser feito por todos, assim quem tem dúvida de como fazer é preciso saber que precisa ter algum conhecimento.

A folha de pagamento de empregados nas empresas é obrigatória, tendo como fundamento a fiscalização trabalhista e a previdenciária. Este documento não possui um modelo padrão, porém, para ser criado é preciso utilizar os critérios que encaixam no perfil de cada empresa.

Com isto o documento deve ter o Nome e cargo do empregado; Função e o serviço prestado; Valor bruto do salário; Valor da previdência social descontada e o valor liquidam que os empregados receberão.

Uma empresa possui como obrigação fornecer a todos os seus colaboradores a folha de pagamento com os dados em relação ao sua remuneração e benefícios pagos durante ou no seu mês de trabalho.

Para conseguir efetuar o cálculo da sua folha de pagamento é preciso saber sobre recursos humanos ou ainda ter noção sobre leis trabalhistas e matemática financeira. Como isto pode ser um pouco complicado, caso ao efetuar o cálculo da sua folha de pagamento você não tiver experiência, o ideal é que seja procura uma ajuda especializada para facilitar o processo.

Através da folha de pagamento é possível utilizá-la como histórico mensal do que foi pago para o colaborador, além de servir para uso com fins pessoais, como por exemplo, para efetuar o financiamento de um carro, casa ou ainda como comprovante o para o requerimento da aposentadoria.

Como Fazer o Cálculo da sua Folha de Pagamento

Em primeiro lugar é necessário classificar o funcionário conforme a sua categoria, por exemplo, indústria, comércio e dentre outras, lembrando que cada categoria é regulamentada por uma Convenção Coletiva que ditam as normas a serem seguidas.

Depois é preciso analisar o livro e também a folha de ponto do funcionário para saber quantas horas foram trabalhadas e se foi feita uma hora extra, além disso, é preciso analisar se o colaborador realizou durante sua jornada de trabalho algum adicional como trabalho noturno, insalubridade, salário família, periculosidade ou descanso semanal remunerado.

Para continuar o cálculo é preciso também conferir se houve faltas durante o mês de trabalho e se elas foram justificadas ou não. Se teve faltas e que não foram justificadas, é preciso que estes dias sejam descontadas em sua folha de pagamento. Esse desconto é feito no valor bruto do salário.

O INSS precisa ser calculado, portanto, ele pode variar de 7,65 a 11%, dependendo do valor da remuneração do funcionário.

O imposto de renda também deve ser calculado, de acordo com a base cálculo e o valor do salário deduzido o INSS. Para determinação da base de cálculo sujeita à incidência do imposto na fonte, têm-se como dedução legal: dependentes, desconto do INSS, faltas e atrasos e pensão alimentícia.

Por fim é preciso deduzir os descontos e benefícios legais (INSS, faltas, vale refeição, vale transporte, adiantamento salarial, contribuição sindical, imposto de renda) e apurar o valor líquido a ser pago ao trabalhador.